19 de julho de 2017

Lição 04

O SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO
Texto Áureo: Jo. 14.6 – Texto Bíblico Básico: Jo. 1.1-14





INTRODUÇÃO
Na lição de hoje estudaremos a respeito da identidade do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Inicialmente destacaremos sua natureza, ressaltando Sua deidade, senhorio, pré-existência e humanidade. Em seguida, abordaremos os ofícios de Cristo, a partir do Antigo Testamento, como Profeta, Sacerdote e Rei. E ao final, a obra que o Senhor Jesus realizou, em Sua morte, ressurreição e ascensão.

1. A NATUREZA DE CRISTO
Deidade – Ele é o Filho de Deus em sentido único, a) Ele tinha consciência de sua deidade (Mt. 3.17; 4.3; 16.15-17; 26.63-65); b) fez reivindicações a respeito (Jo. 16.28; 20.21; Mt. 11.27; Jo. 17.25; 14.9-11; Mt. 18.20; Mc. 2.5-10; Jo. 6.39,40, 54; 11.25; 10.17,18; Jo. 5.22; Mt. 25.31-46); c) demonstrou autoridade divina nos seus ensinamentos (Mt. 7.24); d) impecabilidade de sua alma (Jo. 8.46); e) testemunho dos discípulos (Mt. 28.19; Jo. 1.1-3; 20.28; At. 2.33,36; 4.125.31; 10.42; Tt. 2.3; Cl. 2.9; 1.17; II Co. 13.14). Pre-existência – Ele é o Logos, a Palavra, que expressa o poder, a inteligência e a vontade Deus (Jo. 1.1,14; Hb. 1.3; Cl. 1.5); Senhorio – Ele é chamado de kurios, é exaltado na eternidade (Fp. 2.9; At. 2.36; 10.36; Rm. 14.9; Ap. 1.5), soberano (I Co. 6.20; II Co. 5.15). Humanidade – Ele é o Filho do homem, designado como participante da natureza e das qualidade humanas, e como sujeito às fraquezas humanas (Mc. 2.10; 2.28; Mt. 8.20; Lc. 19.10); por um ato milagroso, o Verbo se faz carne (Jo. 1.14), tendo nascido de uma virgem (Is. 7.14; At. 1.9; Rm. 8.34). Jesus é o Unigênito – monogenés no grego – o único de um tipo, por isso, como diz o Credo Niceno, cremos “em um só Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, o Unigênito do Pai, que é da substância do Pai, Deus de Deus, Luz de Luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado, não feito, de uma só substância com o Pai”.

2. OS OFÍCIOS E A IDENTIDADE DE CRISTO
Na época do Antigo Testamento havia três classes de mediadores entre Deus e o povo: o profeta, o sacerdote e o rei. Como perfeito mediador (I Tm. 2.5), Cristo reúne esses três ofícios: 1) Profeta – revelando a vontade de Deus em relação ao presente e ao futuro (Mc. 6.15; Jo. 4.19; 6.14; 9.17; Mc. 6.4; 1.27): a) da salvação (Lc. 19.41-44; Mt. 26.52); b) do reino (Mt. 4.17; Mt. 13); do futuro (Mt. 24,25); 2) Sacerdote – consagrado para representar o homem diante de Deus e para oferecer dons e sacrifícios (Hb. 2.14-16; Ef. 1.6); 3) Rei – em Cristo repousa o governo perfeito, em uma perspectiva escatológica (Is. 11.1-9; Sl. 72; Mt. 25.31) e nos dias atuais (Jo. 18.36; Mt. 28.18; Ap. 3.21; Ef. 1.20-22). Quando afirmamos que “Jesus é o Senhor”, sendo esta uma das primeiras confissões de fé do cristianismo, reconhecemos que Ele tem domínio sobre nossas vidas. Existem muitas pessoas que querem um Cristo apenas Salvador, mas se negam a obedecer Sua palavra, e a se submeter ao Seu senhorio. Por ser Ele Senhor, devemos nos dobrar diante dEle, antecipando o que acontecerá no futuro, quando todo joelho se curvará perante Ele (Fp. 2.10). A obediência a Cristo é também uma demonstração de amor, pois todos aqueles que obedecem aos Seus mandamentos demonstram que O amam (Jo. 14.21). Na verdade, os mandamentos de Cristo não são pesarosos, pois Seu jugo é suave, e Seu fardo é leve (Mt. 11.28-30).

3. A OBRA SALVÍFICA DE CRISTO
Cristo realizou muitas obras, a suprema foi a de morrer pelos pecados do mundo (Mt. 1.21; Jo. 1.29), incluindo nela, a ressurreição e ascenção (Rm. 8.34; 4.25; 5.10). 1) Morte – é uma  doutrina de importância central do Novo Testamento (I Co. 15.3; Hb. 5.9); 2) Ressurreição – é um fato milagroso, cujo significado remete à sua deidade (Rm. 1.4), e à libertação dos pecados (Rm. 8.34; Hb. 7.25), nos dando a certeza da imortalidade (I Ts. 4.14; II Co. 4.14; Jo. 14.19; At. 17.31); 3) Ascensão – Ele é o Cristo que subiu ao céu (At. 1.9); para preparar o caminho (Jo. 12.26) para o fim da separação entre Cristo e sua Igreja na terra; mesmo que, em sentido espiritual, ela esteja sentada nos lugares celestiais com Cristo (Ef. 2.6), até o dia em que ocorrerá a ascensão literal da igreja (I Ts. 4.17; I Co. 15.52); Ele intercede por nós (Rm. 8.34; Hb. 7.25; I Jo. 2.1). A abra de Cristo foi concretizada através da encarnação do Verbo, pois através dela Ele assumiu a forma humana, esvaziando-se da Sua glória, não da sua divindade (Fp. 2.8,9). Cristo nunca deixou de ser Deus, mesmo sendo homem, nEle habitava corporalmente a plenitude da divindade (Cl. 2.9). O ato da encarnação se fez necessário porque Jesus precisava se tornar sujeito ao pecado, ainda que nunca tivesse pecado (Rm. 8.3). E por ser plenamente humano (I Tm. 2.5), Ele se identifica conosco, inclusive em nossas tentações, pois temos um Deus que foi tentado em tudo (Hb. 4.15). Por esse motivo, sabemos que Ele conhece nossa estrutura, e sabe que somos pó (Sl. 113.14).

CONCLUSÃO
O Senhor Jesus Cristo é o eterno Filho de Deus. As Escrituras declaram: a) seu nascimento virginal (Mt. 1.23; Lc. 1.31,35); b) Sua vida impecável (Hb. 7.26; I Pe. 2.22); c) Seus milagres (At. 2.22; 10.38); d) Sua obra vicária sobre a cruz (I Co. 15.2; II Co. 5.21); e) Sua ressurreição corporal dentre os mortos (Mt. 28.6; Lc. 24.39; I Co. 15.4); e f) Sua exaltação à mão direita de Deus (At. 1.9,11; 2.33; Fp. 2.9-11; Hb. 1.3).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. 

Nenhum comentário: