12 de julho de 2017

Lição 03

A SANTÍSSIMA TRINDADE: UM SÓ DEUS EM TRÊS PESSOAS
Texto Áureo: Mt. 28.19 - Texto Bíblico Básico: I Co. 12.4-6; II Co. 13.13


INTRODUÇÃO
Na aula de hoje, dando continuidade ao estudo das doutrinas que exposamos, nos voltaremos para a Trindade, uma das verdades fundamentais da fé cristã. Inicialmente mostraremos os aspectos históricos dessa doutrina, em seguida, explicitaremos sua fundamentação bíblico-teológica. Ao final, depois de reconhecer que essa se trata de um mistério para a razão humana, ressaltaremos a atuação do Deus-Trino, que coexiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo.

1. A DOUTRINA DA TRINDADE, ASPECTOS HISTÓRICOS
A trindade é definida, teologicamente, como o entendimento de Deus como trino e uno, significando que a natureza divina é uma unidade de três pessoas e que Deus se revela como três pessoas distintas: Pai, Filho e Espírito Santo. A base suprema da doutrina cristã da trindade está na manifestação divina em Jesus, que, com Filho, revelou o Pai e derramou o Espírito Santo. Não há, como se sabe, a palavra “trindade” na Bíblia, mas não que quer dizer que ela deixe de ser uma doutrina bíblica. Seria a mesma coisa de dizer que a água não é composta de H2O simplesmente porque não podemos ler essa fórmula na água. No período antes da Reforma Protestante, Tertuliano (160-220 d.C.), um dos pais da igreja, foi o primeiro a empregar o termo “trindade” e a formular a doutrina, seu ensinamento, porém, punha o Filho em subordinação ao Pai. Em sequência a esse ensinamento, Orígenes (185-254 d. C.) defendia que não só o Filho era, em essência, subordinado ao Pai, mas que o Espírito Santo era subordinado ao Filho. A igreja começou a formular a doutrina da trindade no quarto século, quando o Concílio de Nicéia (325 d. C.), declarou que o Filho é coessencial com o Pai. Após acirrada disputa, no Concílio de Constantinopla (381 d. C.), prevaleceu a concepção de Atanásio (193-373 d. C.), afirmando a divindade do Espírito Santo. A formula de Constantinopla dizia que a trindade era “uma ousia (substância) em três hipostases (pessoas)”, sendo, portanto, uma identidade de natureza nas três hipostases”. Um outro pai da igreja que se dedicou com intensidade e equilíbrio à doutrina da trindade foi Agostinho (354-430), o qual eliminou os elementos de subordinação ainda comuns na defesa de alguns pais da igreja.

2. A EXPLICITAÇÃO DA DOUTRINA TRINITÁRIA
Após a Reforma, os teólogos que se voltaram mais propriamente à trindade foram Brunner (1889-1966) e  Barth (1886-1968). Ele perceberam a importância de tal doutrina que havia sido relegada a segundo plano pelo liberalismo teológico. Barth deriva da Escritura o ensinamento da trindade, mostrando que “Deus fala”, portanto, Ele é revelador (Pai), Revelação (Filho) e Revelatura (Espírito Santo). Ele se revela, é a Revelação e é também o conteúdo da Revelação. Deus e sua revelação se identificam. Em sua revelação Ele continua sendo Deus, absolutamente livre e soberano. Barth não admite nenhuma subordinação, diz ele: “ao mesmo Deus, em unidade incólume, é Revelador, Revelação e Revelatura, também se atribui, em Sua variedade incólume, precisamente este modo tríplice de existência”. A doutrina da Trindade, conforme exposta nas Escrituras, assume uma Unidade na Trindade, ou seja, existe um Deus que coexiste em três pessoas. Em I Co. 12.4-6, Paulo declara que cada pessoa da Trindade é Deus, ainda que esses não possam ser contabilizado como três deuses. A benção apostólica, que se encontra em I Co. 13.13, revela que os cristãos do primeiro século estavam conscientes dessa importante doutrina bíblica, ainda que essa não tivesse sido sistematizada. A sistematização dessa doutrina aconteceu a fim de responder às ameaças das heresias, que começaram a se difundir ainda nos primeiros séculos da Era Cristã. O modalismo tentou negar a coexistência entre o Pai, Filho e Espírito Santo, argumentando que esses eram na verdade apenas uma pessoa, que se utilizou de três máscaras, essa proposição de certo modo também foi defendida pelo unicismo. Uma das principais ameaças a ortodoxia trinitária foi o arianismo, doutrina defendida por Aria, bispo de Alexandria, argumentou que Cristo era apenas uma criatura, uma classe divina inferior. O Concílio de Niceia e Constantinopla, que se realizou em 381, com base nos trabalhos de Atanásio, combateu o arianismo, enfatizando a doutrina bíblica da Trindade.

3. DEUS COMO TRINDADE EM UNIDADE
A Bíblia ensina a sobre a trindade, já no Antigo Testamento, Deus fala de si mesmo no plural (Gn. 1.26; 11.7). Há também menção ao Anjo de Javé, que, se por um lado é identificado com Ele, também é distinto dele (Gn. 16.7-13; 18.1-21; 19.1-28; Ml. 3.1). No Novo Testamento, há uma revelação mais nítida da trindade, pois vemos o Pai enviando Seu Filho ao mundo (Jo.3.16; Gl. 4.4; Hb. 1.6; I Jo. 4.9) e do Pai e o Filho enviando o Espírito (Jo. 14.26; 15.26; 16.7; Gl. 4.6). Vemos o Pai dirigindo-se ao Filho (Mc. 1.11; Lc. 3.22); o Filho comunicando-se com o Pai (Mt. 11.25,26; 26.29; Jo. 11.41; 12.27,28 e o Espírito Santo orando a Deus no interior do crente (Rm. 8.26). Temos, assim, uma demonstração da separação, nas nossas mentes, das pessoas da Trindade. No batismo do Filho o Pai fala, ouvindo-se do céu a Sua voz, e o Espírito descendo na forma de pomba (Mt. 3.16,17). Na grande comissão Jesus menciona as três pessoas (Mt. 28.19). Nas epístolas Paulo (I Co. 12.4-6; II Co. 13.13), Pedro (I Pe. 1.2) e João (I Jo. 5.7) fazem referência a trindade, essa última passagem, em específico, salienta a tri-unidade. Uma comparação de textos tomados de todas as partes das Escrituras mostra que: cada uma das três Pessoas é Criador, embora se declare que há um só Criador (Jo. 33.4; Is. 44.24); cada uma é chamada de Javé (Dt. 6.4; Jr. 23.6; Ez. 8.1); de Senhor (Rm. 10.12; Lc. 2.11; II Co. 3.18), de Deus de Israel (Mt. 15.31; Lc. 1.16,17; II Sm. 23.2; Legislador (Rm. 7.25; Gl. 6.2; Rm. 8.2; Tg. 4.12), onipresente (Jr. 23.24; Ef. 1.22; Sl. 139.4; a Fonte de Vida (Dt. 30.20; Cl. 3.4; Rm. 8.10). Ao mesmo tempo, foi Deus quem fez o homem (Sl. 103.3; Jo. 1.3; Jó. 33.4); vivifica os mortos (Jo. 5.21; 6.33); levantou Cristo (I Co. 6.14; Jo. 2.19; I Pe. 3.18), comissiona o ministério (II Co. 3.5; I Tm. 1.12; At. 20.28), santifica o povo de Deus (Jd. 1; Hb. 2.11; Rm. 15.16) e faz manifestações espirituais (I Co. 12.6; Cl. 3.11; I Co. 12.11).

CONCLUSÃO
As Escrituras ensinam que Deus é Um, e que, não existe outro Deus além dEle (Dt. 6.4), mas, ao mesmo tempo, essa unidade divida é composta por três pessoas distintas, cada uma delas é a Divindade. Não que se está dizendo que sejam três deuses, na verdade, os três cooperam unidos e num mesmo propósito, de maneira que no sentido pleno do termo, são UM. Assim, o Pai cria, o Filho redime e o Espírito Santo santifica, contudo, em cada uma dessas operações os três estão presentes. O Pai testificou do Filho (Mt. 3.17), o Filho testificou do Pai (Jo. 5.19) e o Filho do Espírito (Jo. 14.26), que, posteriormente, testificou do Filho (Jo. 15.26).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. O Cremos da Assembleia de Deus. São Paulo: Reflexão, 2017.
SOARES, E. A razão da nossa fé. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.